sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

adeus Janeiro

Para o ano, sê mais querido, sim?
Fevereiro, vamos a isto?

imagem daqui

afinal ainda pode melhorar






State of mind #88

Vir a casa, dormir 10 horas seguidas na minha cama de sempre. Acordar e tomar o pequeno-almoço na maior das calmas, dar um passeio nestas ruas que conheço de cor e que também me conhecem tão bem, beber o melhor café do mundo e acabar a manhã a cuidar um bocadinho de mim.
Se isto não me der forças para continuar, não sei o que será preciso.

imagem daqui

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

State of mind #87

Depois de um dos piores dias da minha vida, acordei como o dia de hoje. Entre o sol e a chuva. E ainda bem que havia cor e coisas bonitas para me ajudar a ver com mais clareza o lado bom da vida.


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Um dia pedes ajuda

Hoje é o dia

imagem daqui

domingo, 26 de janeiro de 2014

Domingo de tanta neura

Planning and wishing.
Um livro novo para me animar.




sábado, 25 de janeiro de 2014

Sábados de manhã #77

O dia volta a estar cinzento e a minha energia também já esteve mais radiante. Odeio o mês de janeiro! A única coisa boa que consigo ver nesta altura é a proximidade do carnaval, que este ano até começa mesmo mesmo mesmo no final de fevereiro... 
Acordei cedo para vir trabalhar, de mota que é muito giro menos quando está a chover. Tenho tanta coisa para estudar que me sinto a afogar. Queria que o tempo parasse só um bocadinho porque a próxima semana será um inferno de exames e trabalhos. Olha a novidade... Janeiro, vai-te embora!
Tirando isso, quer parecer-me que hoje vou fugir de Lisboa para só regressar amanhã depois do almoço. Aproveito para arejar a cabeça, reduzir a neura ao máximo e carregar a bateria que alimenta o cérebro. Mas, para isso acontecer, queria mesmo que este sábado fosse o mais produtivo possível para conseguir desligar-me de tudo sem problemas de consciência. Vamos lá, então?
Bom fim de semana!

imagem daqui

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Jantar e até amanhã

Couscous... uma novidade na minha cozinha. Gostei.
Estou tão cansada que já nem aguento os olhos abertos.
Amanhã é outro dia.





quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

coisas da vida #6

Professor querido, o principal responsável pelo estado lastimável dos meus neurónios, das noitadas em frente ao computador e de chatices várias, encontra-me no bar da faculdade e grita-me (sim, num belo tom de voz que estoira ouvidos): "Joana, um croissant? Então a linha?".
Ora, eu sou pessoa de costas largas. Sinceramente não me deixo afectar por este tipo de comentários que, apesar de infeliz, acredito sinceramente que não tenha maldade. Mas não consigo deixar de pensar na falta de senso e, acima de tudo, de nível de algumas pessoas. Então ele não percebe que foi super inconveniente? Especialmente com alguém que, apesar de cordial e simpática, nunca lhe deu estas confianças? Enfim, felizmente dá-me para rir.
Escusado será dizer que o croissant me está a pesar no estômago e na consciência muito mais do que era suposto...

da Índia, com amor

Se há país que eu não tenho interesse nenhum em visitar é a Índia. E honestamente nem sequer percebo o fascínio. Eu já estive em países pobres (São Tomé e a Bahia no Brasil) mas acho a Índia um país muito sujo e com uma diferenciação de classes absolutamente ridícula. Enfim, pareço um bocadinho xenófoba mas não podemos gostar de todas as culturas. Sinceramente, nada tenho contra indianos em particular e tenho muitas coisas boas a dizer da comida indiana. Mas daí a interessar-me pela Índia, vai um longo caminho.
Tudo isto para dizer que ontem vimos este filme e gostámos. Definitivamente, um filme que dá muito em que pensar.

imagem daqui
imagem daqui
imagem daqui

adeus óculos

Pois sim, em fevereiro, depois dos exames e dos trabalhos que me cansam a vista e a cabeça, vou mesmo avançar para umas lentes de contacto. É que entretanto estou ligeiramente mais miope e tenho um mini astigmatismo atrevido num dos olhos. Maravilhas da entrada nos trinta, que vai acontecer lá para junho. Agora só tenho que ultrapassar o trauma de enfiar os dedos nos olhos e de ter coisas esquisitas a "pairar" por lá.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

State of mind #86

Finalmente, o sol regressou. E eu estou a precisar tanto desta luz.

imagem daqui

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Nem a propósito

Quando a vida te dá laranjas, faz um sumo de laranja.




E se a vida te dá limões (que eu me esqueci de fotografar), faz uma tarte de limão. Já muito fotografada aqui.




Mais uma

Este blogue Inesperado começa a chatear-me seriamente. Será que esta pessoa, ou estas pessoas, conhecem os meus pensamentos mais secretos, aqueles que não partilho com ninguém, as minhas desilusões e frustrações? Ou estes textos são como os horóscopos que servem para toda a gente e todos nos identificamos um bocadinho com o que está escrito? Será que estou a ficar maluquinha? Parece-me que sim...
"Calibrar expectativas", ora aí está uma coisa interessante e que tem tanto a ver com o que se tem passado nesta cabecinha tão confusa e tão perdida. Apreciar o esforço (quando ele existe) e dar valor ao que se tem. E, se queremos mesmo outras coisas, ir procurar a outro lado e não esperar que os outros façam o impossível só porque nós não estamos satisfeitos.

imagem daqui

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Melhoria contínua

Hoje vou dar o primeiro passo para me livrar dos óculos e aventurar-me numas lentes de contacto. Sinto-me cada vez mais dependente dos óculos, agora já não é só para a televisão ou para conduzir. Entro numa loja e sinto que preciso ver melhor, estou na rua e já me irrita não ver o número dos autocarros ou o nome das ruas. Ui, então se alguém me acena na rua, lá estou eu com ar intrigado e olhos de toupeira a pensar quem será aquela pessoa. Ou estou com o nariz colado às coisas (bom, não tanto) ou então lá estou eu a percorrer a mala à procura das gaffas. Pois, não dá mais. Acredito que tenho bons olhos para as lentes porque sou uma chorona de primeira. Por isso, só preciso ultrapassar a enooooorme confusão que me faz enfiar os dedos nos olhos e estou pronta para ficar óculos free.

imagem daqui

do amor

Dar mais uma chance ao que sentimos, arranjar forma de ultrapassar o que nos divide e não desistir assim com tanta facilidade. Saber que o nosso amor deve ser, tem que ser a coisa mais importante das nossas vidas porque, se assim não for, nada disto vale a pena. E, mesmo assim, perceber que podemos mudar, ceder, aprender mas nunca esquecer a pessoa que somos e manter sempre a nossa essência. Impossível? Não mas é difícil. Porque esta coisa de ser feliz dá mesmo trabalho. Mas vale tanto a pena.

imagem daqui

domingo, 19 de janeiro de 2014

Vir a casa

Tem destas coisas. E outras igualmente boas.


sábado, 18 de janeiro de 2014

Sábados de manhã #76

Voltar onde já fui feliz, respirar bem fundo e ganhar coragem para fazer o que tem de ser feito.



sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

State of mind #84

Aproveitar as noites em casa, enrolar-me numa manta e deixar-me ficar, já que os dias são todos passados na rua. E, em dias como hoje, como a última semana, só apetece fechar bem a porta e só sair quando o sol se dignar a aparecer.
Ahhh, e será escusado dizer que o meu humor anda cinzentinho como o tempo... Bahhh!

imagem daqui

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

State of mind #83

Ainda bem que venci a preguiça e o desânimo. Agora estou com aquele cansaço mesmo bom de quem merece uma boa noite de sono.

imagem daqui

Inesperado desesperado

Ó pá, se este blogue ganhasse 1€ por cada vez que toca na ferida de uma pessoa, estaria a ganhar muitos milhões. O último post fala da pessoa ideal e eu penso muito nisso, não só com alguém com quem tenha uma relação, mas alguém que idealizo e comparo constantemente... a mim própria. Muitas vezes esta pessoa é só uma imagem na minha cabeça mas, às vezes, materializa-se em pessoas que estão à minha volta. Conhecidas ou desconhecidas. Ora, isso é uma chatice e mexe um bocado com a minha auto-estima, que já foi muito mais estável e segura, e com a minha sanidade mental que esta coisa de andar sempre a ver coisas onde elas não existem também não é lá muito saudável. A verdade é que é bom haver um termo de comparação e de preferência que seja sempre superior a nós. Mas isto de andar sempre a achar que os outros (reais ou imaginários) são sempre melhores que nós também não faz bem nenhum.

 Blogue Inesperado

das coisas importantes

Um dos meus lemas de vida "Quando não é preciso mudar, é preciso não mudar" às vezes pode ser muito traiçoeiro. Isto porque muitas vezes nos agarramos a coisas que já não fazem sentido e não percebemos. Pois, podia estar a falar daquelas questões colossais da nossa vida, que também se aplica. Mas o que eu queria mesmo dizer é que estou fartinha dos achaques do Firefox e estou a  milímetro de instalar o Chrome, por muito que esta raposa me comova. A sério que sim. Tenho que pensar e decidir.

imagem daqui

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Bom dia!

Acordámos cedo e com uma disposição relativamente aceitável, tendo em conta o pior fim de semana de sempre. Mas não falemos nisso agora. Concentrar-me mais em mim e no meu bem estar é o que mais importa por agora.
Então boa semana, sim?

imagem daqui

sábado, 11 de janeiro de 2014

Sábados de manhã #75

Uma manhã cinzenta passada no Oceanário num ambiente completamente mágico. Adorei!
Agora a tarde é de trabalho muito intenso para compensar a manhã de passeio. Mas a minha cabeça está cheia de tanta coisa... Vamos lá ver se consigo tornar as próximas horas no mais produtivo possível.












sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

State of mind #82

E prontos, carreguei no botão e recomecei tudo, é outra vez Ano Novo e tenho trezentos e muitos dias pela frente para fazer tudo bem. Manter foco naquilo que (re)aprendi e não largar nunca esta forma de estar. As outras... as que me falham... são para trabalhar e mudar. São as mais difíceis, é certo, são muitos anos de maus "hábitos". Mas eu vou conseguir.
Por agora, falhámos o ginásio porque a faculdade falou mais alto e não tive mesmo hipótese senão vir agarrar-me ao computador. Logo à noite vamos ser mais do que dois à mesa e a nossa casa vai cheirar a folhados de queijo de cabra e a caril de frango. E amanhã há festa. Uma festa diferente mas muito boa. Parece-me bem.

imagem daqui

Dias bons #29

Precisava tanto de uma noite assim. Voltar a mim mesma, ao que sou e ao que quero ser. E bastou parar para respirar, para me recordar de tantas coisas boas e para me deixar ser feliz com coisas que são só minhas. É tão importante sermos fiéis a nós próprios à medida que vamos crescendo e aprendendo. Não nos esquecermos de onde viémos e não apenas para onde vamos.
Hoje volto a ser mais Joana. E esta Joana quer tanto mas tanto ser feliz. Só que às vezes esquece-se do que tem que fazer. E que ser feliz dá trabalho. Não podemos esquecer as bases que sustentam tudo e foram essas que recuperei numa noite muito bem passada.